Floresta Estadual do Palmito - Biodiversidade
Informações Gerais  |   Biodiversidade  |   Localização e Acesso  |   Atrativos e Atividades  |   Informações aos Visitantes  |   Plano de Manejo  |   Infraestrutura  |   Ficha Técnica  |  

Por ser uma área que apresenta um histórico de intensa exploração, dentre as quais se destacam o manejo do Palmito-juçara, a extração de madeira usada em pequenas construções e como fonte de energia; e locais outrora ocupados por moradias e agricultura de subsistência com cultivos de batata-doce, da mandioca e do abacaxi; nela a Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas está representada por diversos ambientes atualmente bem conservados e em diferentes estágios de regeneração florestal natural. Entre as espécies vegetais de porte significativo temos a Maçaranduba (Manilkara subsericea), o Guanandi (Callophyllum brasiliense), Figueiras (Ficus spp) e o Palmito-juçara (Euterpe edulis), além de diversas espécies de Orquídeas e Bromélias.

Entre os representantes da fauna nativa que transita pelo ambiente da unidade há o Cachorro-do-mato (Cerdocyon thous), o Tamanduá-mirim (Tamandua tetradactyla), o Gato-do-mato-pequeno (Leopardus tigrinus), entre outros. No interior da UC também são encontradas Áreas de Formação Pineira com Influência Marinha (denominada restinga) com solo arenoso (Espodossolo), com pouca disponibilidade de água, formada por plantas de pequeno e médio porte se destacando a Caúna (Ilex theezans), a Cupiúva (Tapirira guianensis), o Jacarandá-lombriga (Andira anthelminthica) e a Canela-lageana (Ocotea pulchella) e as Áreas de Formação Pioneira com Influência Fuvio-marinha, caracterizada pelo Manguezal e suas espécies vegetais como: o Mangue branco (Laguncularia racemosa), o Mangue vermelho (Rhizophora mangle) e a Siriuva (Avicennia schaueriana), além do complexo estuarino formado pelo Rio dos Almeidas, Rio dos Correias e os elementos da fauna local que utilizam esse ambiente como moradia. Tais rios delimitam dois extremos da área protegida.

Sobre a avifauna presente na área, conforme projeto de monitoramento e investigação cientifica que ocorre no local deste 2001, foram catalogadas 255 aves de diferentes espécies, entre as mais abundantes se destacam o Supi-de-cabeça-cinza (Mionectes rufiventris), o Tangará (Chiroxiphia caudata) e a Rendeira (Manacus manacus). Outras espécies de grande importância ecológica também foram encontradas como: a Cigarrinha (Sporophila falcirostris), o Pixoxó (Sporophila frontalis), o Papagaio-de-cara-rocha (Amazona brasiliensis), a Pomba de espelho (Clarabis godefrida) e o Gavião-pombo-pequeno (Leucopternis lecernulatus).